O Inferno desce à Terra

fogo

Todos os anos no verão desce o inferno à terra pelas mãos de pessoas descuidadas ou criminosas. A floresta está em muitos casos abandonada como está também o interior.

É difícil para alguém que viva longe, pôr de parte €500 para mandar limpar a floresta, fazer 500 km para ter a certeza que tudo foi bem feito e voltar. Há uma necessidade que haja mais aposta em empresas que transformem “lixo florestal” pré-incêndio em energia, que se divulgue e que seja acessível.

É preciso consciencializar os cidadãos para que não sujem a floresta, não deitem beatas fora, não façam churrasco, não lancem foguetes nas festinhas de verão que ocorrem por todo o lado, pertíssimo de mato seco, não queimem mato para limpar, entre Maio e Outubro… Não, não, não! Há que mudar a relação que temos com a floresta – acabar com eucaliptais e apostar em florestas autóctones com carvalhos e castanheiros.

Há algo mais bonito que um outeiro bem cuidado? E as castanhas, não são elas um produto regional, no qual devemos apostar? Eu, pessoalmente, adoro o verão, a primavera e o inverno, mas o outono, com os seus cogumelos selvagens, castanhas e passeios na floresta são o que mais me dá energia para um novo ano letivo. Por isso, cada vez que morre uma floresta fico desolada. Mais do que uma floresta, estamos a destruir um património da humanidade que, apesar de poder ser reposto, poderemos nunca ver o esforço ainda em vida.

Há depois os casos de reflorestação pensada que têm sido alvo de ataques “terroristas” em várias zonas do país! Que fazer com estes criminosos? Em vez de penas de 3 anos, penas intermitentes de 15 verões na solitária? Seja o que for a fazer, seria bom ser feito antes do próximo verão para não chorarmos pela floresta em 2017!

Advertisements
%d bloggers like this: