PRENDINHA DA SEMANA – 2/2017

Saiu esta semana o primeiro livro da coleção LER FAZ BEM, que promete ser mais uma excelente aposta da revista Visão. Hoje vamos oferecer o primeiro exemplar, que veio com a Visão esta semana, pois já o temos e achamos que é uma leitura muito interessante. Para além disso, é proposta a criação de clubes de leitura  abertos a todos os que acreditam que ler faz bem.

A propósito de A Quinta dos Animais de George Orwell, podemos dizer que é uma obra divertida mas com muitas camadas. É fácil de se ler mas quanto mais lemos mais descobrimos sobre como Orwell é um mestre em metáforas e analogias… Podem ler a sinopse mais abaixo. O adolescente leu-o este ano e fez uma apresentação sobre o mesmo por isso tivemos hipótese de rever o livro em conjunto e esta nova leitura só reafirmou o prazer que tenho em ler Orwell.

Para receberem o livro (podem ler a sinopse mais abaixo) em casa têm de:

  • Seguir o blog no facebook publicamente
  • Fazer like e partilhar a publicação no Facebook publicamente, uma vez por dia
  • Escrever participo e o nome de quatro amigos no comentário do Facebook para poder atribuir um número, uma vez por dia

Para obterem entradas extra, coloquem em comentários separados:

  • Quem seguir o blog no instagram, basta colocar o vosso @nome no
    comentário, para terem mais uma entrada
  • Quem seguir o blog no Bloglovin’, basta colocar o vosso Bloglovin’ nome no comentário, para terem mais uma entrada
  • Quem seguir o blog por Wordpress, basta colocar o vosso nome de WordPress no comentário, para terem mais uma entrada (podem seguir por email, nesse caso, basta colocar a primeira parte do nome antes da arroba @)

Podem participar uma vez até dia 18 de janeiro às 23.59. O passatempo é válido para Portugal.

SINOPSE

Esta nova tradução de Animal Farm recupera o título original, contrariamente às edições anteriores, que adoptaram os títulos panfletários O Porco Triunfante e – o mais conhecido – O Triunfo dos Porcos.

À primeira vista, este livro situa-se na linhagem dos contos de Esopo, de La Fontaine e de outros que nos encantaram a infância. Tal como os seus predecessores, Orwell escreveu uma fábula, uma história personificada por animais. Mas há nesta fábula algo de inquietante. Classicamente, atribuir aos animais os defeitos e os ridículos dos humanos, se servia para censurar a sociedade, servia igualmente para nos tranquilizar, pois ficavam colocados à distância, «no tempo em que os animais falavam», os vícios de todos nós e as sua funestas consequências. Em A Quinta dos Animais o enredo inverte-se. É a fábula merecida por uma época – a nossa época – em que são os homens e as mulheres a comporta-se como animais.

Advertisements
%d bloggers like this: