Pedipaper Fotográfico dos 8 aos 80 em LX ZONA NORTE – PARQUE DAS NAÇÕES

Continuando o nosso passeio no museu a céu aberto, saindo da Gare do Oriente/ Estação do Oriente, atravessando o Centro Comercial Vasco da Gama, espaço este com mais de 200 lojas e um terraço sobre todo o Parque das Nações, virando à esquerda (E) explorem também a zona norte do Parque das Nações em jeito de Passeio Pedipaper Fotográfico.

Pavilhão Atlântico/MEO Arena, do arquiteto português Regino Cruz, que é um um misto de nave espacial & caranguejo-ferradura;

O Homem-Sol, escultura de ferro com cor de ferrugem de Jorge Vieira, de cerca de 20 metros de altura e com 15 toneladas de ferro, que, tal como o nome indica, representa o Sol e uma figura humana;

Rossio dos Olivais com um espelho de água ladeado pelas bandeiras de todos os países que participaram da Expo 98 e uma calçada portuguesa com motivos relacionados com os Oceanos;

Lago das Tágides, com catorze tágides em lajes de mármore, figuras poéticas e ninfas do Tejo, mencionadas por Luís de Camões nos Lusíadas, esculpidas por João Cutileiro banham-se ludicamente nas águas do Tejo à frente de uma falua;

Jardim Garcia d’Orta, espaço com alguns instrumentos musicais onde as crianças podem brincar um bocado;

Pavilhão da FIL dos arquitetos António Barreiros Ferreira e Alberto França Dória, composto, na realidade, por 4 pavilhões multifuncionais com tão-somente uma área global de 100.000 m2;

Torre Vasco da Gama com um restaurante a 145 metros em cima do Tejo com hotel luxuoso Myriad By SANA Hotels, ladeado pelo Painel de Azulejos da autoria de Roberto Matta, doado pelo Governo do Chile à Parque Expo’98; a Escultura “Cursiva” de Amy Yoes constituída por dois “S” sobrepostos em verde de alface (alusão aos alfacinhas?); e o Homem Muralha de Pedro Pires, cinco esculturas voltadas para a Praça do Tejo;

Teleférico com 1,2 km de extensão, sem grandes pressas, uma vez que a viagem de ida e volta demora sensivelmente de 8 minutos;

Jardim das Ondas, de Fernanda Fragateiro, um espaço verde totalmente relvado “de altos e baixos” e onde o terreno modelado simula o ritmo do fazer e o desfazer das ondas; a escultura da Rainha D. Catarina de Bragança;

Ponte Vasco da Gama, a maior ponte da Europa com 17,3 km de comprimento, dos quais 12 km sobre as águas do estuário do Tejo, inaugurada em 1998, numa altura em que se comemoravam os 500 anos da chegada à Índia do navegador português Vasco da Gama, sob um ou outra falua, o barco tradicional do Tejo;

Em qualquer altura poderão querer relaxar e recuperar forças. Degustem e deliciem-se com a paisagem que podem encontrar num dos diversos cafés, restaurantes, jardins e esplanadas viradas para o Tejo, e não se esqueçam Partilhem!

Advertisements
%d bloggers like this: