Os Pireneus da praia aos 2884 metros de altura

Jean de Luz, Biarritz, Baiona, Pau & Lourdes

De regresso à estrada, concentrados no nosso jogo preferido “Quem é o primeiro a encontrar a sequência de carros?”, muito semelhante ao Bingo (de carros) ou, para os mais graúdos, Straight Flash (de coches) carinhosamente abreviado por nós de “O jogo do Carro Amarelo” (cor que a par do laranja iniciou esta febre) atravessamos mais uma fronteira e somos abraçados por um clima ameno, sol abrasador: Bem-vindo ao País Basco do Norte!

Geográfica e politicamente assinalado como sul de França, denominado por uns como os Pyrénées Atlantiques ou por outros ainda País Basco do Norte, estas terras sob a sombra protetora dos Pireneus apresenta uma multifacetada e rica história, fruto de diversas influências linguísticas, culturais e históricas de pessoas que não se confinaram a fronteiras.

Deixando o País Basco e a Espanha para trás entramos na França e no País Basco … A pensar no reduto de férias dos Imperadores Carlos Luís Napoleão Bonaparte & Maria Eugênia Ignácia Augustina de Palafox-Portocarrero de Guzmán y Kirkpatrick (também conhecidos por Napoleão III & Eugénia de Montijo), ☺ Biarritz cá vamos nós, … somos surpreendidos pela antiga cidade corsária de ☺ Saint-Jean-de-Luz. Pequena e típica localidade no sul de França e norte do País Basco (??) encontra-se abençoada por uma baía e algumas magnificas praias de areia fina de águas calmas (que contrariam em muito as bonitas praias de Biarritz com ondas fortes muito procurados pelos amantes do Surf). Estas praias, protegidas pela fúria dos mares devem-se, em grande parte, ao trabalho de Napoleão III, responsável pela construção de três longos protetores braços/diques que se perdem no mar.

Paragem obrigatória em qualquer viagem para recuperar o folego nas suas areias brancas, percorrendo as ruas de ☺ Saint-Jean-de-Luz podemos também descobrir diversos outros atrativos: ☺ Canelés de Bordeaux, ☺ Foie Gras (fígado gordo de ganso ou pato), um queijo ☺ Breton, ☺ Comté, ☺ Paysan, ☺ Isigny, ☺ Président, ☺ Saint-Agur, ☺ Camembert … tradicional e atrativa, este último reduto dos franceses apresenta-se ao seu visitante como uma maravilhosa montra de gastronomia e arquitetura. Imperdível para qualquer casalinho é a ☺ Igreja Saint-Jean-Baptiste: transpor as portas e prostrar-se no local onde o Rei Sol desposou a infanta Maria Teresa no século XVII. Com imensas interdições de estacionamento para autocaravanas, podem refugiar-se, com vista sobre a baía de Saint-Jean-de-Luz na ☺ Plage de Socoa em Ciboure (☻ Avenue du Commandant Passicot & ☻ Chemin des Blocs) com cafés, restaurantes, casas de banho e duches por perto; ou nas proximidades do Carrefour da ☺ Plage de Ciboure (☻ Rue de l’Untxin) com diversas padarias, mercearias e boutiques por perto.

☺ Biarritz: surf, praia, Casino, ☺ Farol, Rocher de la Vierge & ☺ ponte de Gustave Eiffel, hotéis, residências imperiais, golfe, ☺ Chocolaterie … passear por um local com muita história e encanto. Agradável localidade que se desenvolveu a partir de duas particularidades: por se ter desenvolvido ao longo da costa, em qualquer ponto da cidade temos a vista sobre o azul-marinho da costa basca ou o som das ondas a rebentar nas suas praias; e também por ter sido o local escolhido por Napoleão III e a sua esposa, Eugénia de Montijo, como residência de férias, mais especificamente no  Hôtel Du Palais, edificado a um passo da ☺ Grande Plage e hoje em dia um hotel***** de luxo.

Devido à escolha destes ilustres “residentes” a partir desta altura tornou-se também refúgio muito requisitado por muitas pessoas e realezas como, por exemplo, o Rei do Reino Unido, dos domínios britânicos e Imperador da Índia, Rei Eduardo VII. Percorrendo a ☺ Grande Plage, esta cidade muito fotogénica oferece a partir de algumas avenidas e ruas paralelas repletas de palacetes, casas de estilo medieval, tentadoras Chocolaterie, acesso ao campo de golfe ☺ Biarritz-Le-Phare e ☺ Rocher de la Vierge, ilha do rochedo com uma Virgem no seu topo. Reza a história que há muito muito tempo, que numa noite de tempestade, um grupo de pescadores foram guiados por uma mística luz emitida no topo deste rochedo. Como forma de gratidão, foi erguida neste mesmo local uma Virgem. Hoje em dia, do lado oposto, para auxiliar os pescadores e como ponto de referência de Biarritz, existe o ☺ Phare de Biarritz, o farol erguido no ☺ cabo de Hainsart, do qual, sensivelmente 300 degraus depois, podemos desfrutar uma vista sobre a cidade, praias de Biarritz e, num bom dia, os ☺ Pirenéus.

Cercados por sinais indicativos de interdição para pernoita de autocaravanas, os melhores locais de pernoita encontram-se à entrada da cidade (Avenue Charles Floquet), ou na Cité de l’Ocean servida pelas praias Plage de la Milady e ☺ Plage d’Ilbarritz (Avenua Ilbarritz & Rue de Moulin de Chabiague) com o alerta: cuidado à altura da autocaravana devido aos sinais proibitivos de 1,8m ou 2,2m.

Iniciando a nossa incursão pelos Pireneus (D810) primeira paragem obrigatória: ☺ Baiona / Bayonne, cidade onde basco, espanhol e francês coabitam. Com o seu serpenteante rio Nive, que separa ☺ Fortaleza, mercado, cidadela, Jardim Botânico e a ☺ Catedral de Notre-Dame de estilo gótico, Bayonne encontra-se ligada por diversas pontes de diferentes extensões e estilos arquitetónicos (se conhecem algum engenheiro, é um local para aprender). Servida por dois grandes estacionamentos, encostar a autocaravana não vai ser um problema,  La Navette gratuita ou uma das muitas bicicletas gratuitas

De volta para a estrada (D817), Biarrotte, Port-de-Lanne, Peyrehorade, Labatut, Puyoô, Orthez … as terras começam a perder a forte influência do euskara (basco) e apresentam uma grafia e entoação cada vez mais francesa. Prestes a abandonar a Aquitânia, chegamos a  Pau. Respeitando os ±100km/1hora de viagem com crianças, é altura para uma paragem na cidade natal do Rei Henrique III de Navarra / Rei Henrique IV de França (esta zona não se acomoda ao conceito do fronteira). Atravessada pelo rio ☺ Gave de Paul e vigiada pelo imponente Castelo dos séculos XI e XII, Pau é um ótimo local para um passeio pela ☺ Boulevard des Pyrenées, com uma impressionante vista sobre os Pireneus, ou pelas ruas da cidadela com praças, comércio local, bares, restaurantes, chocolaterie … facilmente acessível através do  ☺ Funiculaire de Pau. Estacionando/pernoitando facilmente no parque da ☻ Usine des Tramways, a dez minutos a pé, 30 metros de altura, 6 minutos de viagem, o funicular transporta-nos, de forma gratuita, ao centro da cidade velha.

Finalmente, antes de atravessar as nuvens pelas estradas dos Pireneus, aconselha-se uma visita ao local de meditação e peregrinação de  Lourdes. Local onde a pequena Bernadette avistou a Nossa Senhora (em diversas ocasiões) o  ☺ Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, construído em cima da gruta das aparições, é um complexo afagado pela natureza circundante excelente para uns momentos de meditação. À volta de Lourdes sugerimos também o  ☺ Pic du Jer, miradouro sobre Lourdes e os Pireneus acessível através de um funicular (±10€); fora da cidade, o refrescante ☺ Le Lac & Lourdes Plage, local de banho e passeios de barco; e, finalmente, o ☺ Château-Fort de Lourdes que conta ao longo da visita no ☺ Museu dos Pireneus a história das pessoas e locais (±8€).

Na manhã seguinte, subimos aos 2884 metros de altura, atravessamos os Pireneus e regressamos às terras dos Nuestros Hermanos … , mas isto já é outra história.

Advertisements
%d bloggers like this: