Mudbound – Lágrimas sobre o Mississipi

mudbound

Uma terra pode dividir, ser causa de discórdia e desavenças; unir um povo, sob uma bandeira e fazê-los seguir para guerra; alimentar-nos, fornecer-nos o nosso sustento; escravizar-nos, encontrarmo-nos de tal forma associados à propriedade que somos transacionados em conjunto. Este drama de Dee Rees fala destas relações e de um povo oriundo de várias nacionalidades.

“Eu sou a pessoa menos racista que conhece” … isto não quer dizer que não sou racista. Será que era esta a oração complementar que ficou por pronunciar?

A poeira torna-se terra, a lama um lar.

Relata o drama familiar de duas famílias unidas pela lama, separadas por uma nação, unidas na luta pela liberdade e opressão de uma ditadura, separados pela tez da sua pele. A residirem numa nação construída à base da conquista, multiculturalidade, lei do mais rápido, mais forte, melhor, mais rico … American Dream, vivem-se ainda tempos conturbados no que dia respeito aos direitos humanos. Enquanto uma família da linhagem dos Founding Fathers tenta retomar a ligação á terra, trabalhadores com raízes aos primeiros escravos dos campos de algodão, sonham com a possibilidade de alcançarem um pedaço de terra que possam chamar seu.

É um murro no estômago mas que convém não esquecer quanto a humanidade tem se movido em direcção a um mundo melhor e manter esse caminho. Aqui fica o trailer:

Advertisements
%d bloggers like this: