Margarida Pestana Plantas aromáticas

Na senda da sustentabilidade – Plantas

Hoje tenho uma convidada muito especial: a Margarida Pestana. Uma força da natureza, a Margarida não pára de me surpreender com os seus dons e, se há um homem dos 7 ofícios, a Margarida é a mulher dos 7 dons. É carismática, empreendedora, empática, boa pessoa, o dom da palavra e o dom da fotografia e tem um sorriso maravilhoso e apaziguador.  Ando a aguardar ansiosamente pelo blog que está quase a nascer. Enquanto ainda está no forno podemos ir lendo as suas palavras, hoje e aqui, e inspirarmo-nos para mais uma mudança.

Esta eu já tentei cá em casa, mas ou é de mim ou de ser um rés do chão sem varandas, eu não consigo que as minhas plantinhas cresçam muito… Vou aprender mais umas dicas e ver se consigo! Aqui fica a aventura da Margarida:

COMO ENCONTREI NAS PLANTAS UMA CAPACIDADE QUE NÃO TINHA?

plantas-aromaticas

Fui escuteira durante grande parte da minha vida mas, curiosamente e apesar de gostar de estar na natureza nunca senti um grande chamamento por plantas em si. Quando era mais nova, a minha mãe mandava-me regá-las e considerava sempre uma tarefa muito chata, provavelmente por ser uma ordem de mãe e não pela tarefa em si – quem não passou por aquela fase do “só para embirrar”?

Só há cerca de uns meses é que a minha visão e relação com elas mudou. Isto porque comecei a estar mais permeável e receptível aos assuntos que se ligam ao minimalismo e por sua vez à sustentabilidade.

O INGREDIENTE SECRETO

As ervas aromáticas, agrião (semeado recentemente), salsa e manjericão.

Quando plantei pela primeira vez coisas cá em casa, comecei pelas ervas aromáticas. Comprei um daqueles kits com 4 ervas aromáticas diferentes e segui todos os passos até a colocar no parapeito da janela da cozinha quando terminei.

O que não me disseram é que ia demorar tempo até crescer. É óbvio que as plantas levam tempo, como qualquer outra coisa, mas o meu entusiasmo era tanto que eu saltitava todos os dias direito ao vaso à procura de novidades. E nada. Foram precisos 20 dias até ver um fiozinhos verdes ameaçarem querer sair da terra.

suculentas

As minhas suculentas

Depois vieram as suculentas, primas dos catos que aguentam tudo e todos, mas que, por outro lado acho que são tão sensíves. As suculentas estão na moda é verdade mas são tão, mas tão bonitas que quando dei por mim já tinha mais de cinco – graças a uma amiga com quem, volta e meia troco exemplares, já que estas plantas se reproduzem facilmente. Com as suculentas aprendi uma palavra nova: PACIÊNCIA.

Paciência porque não crescem de um dia para o outro, porque precisam de tempo para se adaptar e nunca sabes se lhe estás a fazer bem ou mal. Se é muita água ou pouco sol, porque não vês o impacto de um dia para o outro, como acontece por exemplo com o manjericão que tenho cá em casa.

Na verdade, tanto estas como quaisquer outras plantas têm muito para nos ensinar. A nossa ligação à terra é muito importante e estamos cada vez mais afastados dela, por causa da tecnologia. Quanto mais tempo dedicarmos à natureza, e as plantas são uma boa forma de a trazermos para nossa casa, mais rapidamente ficaremos tranquilos, felizes e pacientes, porque têm esse efeito. Além disso, ficamos mais conscientes sobre o planeta, as nossas ações e a nossa pegada ambiental. Começamos a dar mais valor ao que temos, às coisas que criamos com as nossas próprias mãos, que necessitam de tempo para crescer, paciência e cuidado, tal e qual como o amor.

plantas-amor

DICAS RÁPIDAS

As suculentas plantas que apresentam raiz, talo ou folhas grossas porque permitem o armazenamento de água por longos períodos de tempo, como no deserto.

Como cuidar: prestar atenção aos detalhes. Se as folhas começarem a murchar, aumentar aos poucos a quantidade de água; se as folhas da base começarem a apodrecer, então é sinal de água a mais. Se as folhas estiverem finas ou a cair, é falta de luz. O ideal é que apanhem pelo menos quatro horas de sol para estarem sempre felizes.

Flash-tip: Mergulha um palito na terra, como se faz para ver se os bolos estão cozidos. Se a terra vier agarrada então está bem irrigada, se a terra estiver soltinha e não marcar o palito então é hora de regar mais um pouquinho a tua planta.


Eu uso um vaporizador para controlar a quantidade de água que a planta recebe.
 
RECOMENDO
A minha musa do minimalismo e da sustentabilidade:

Marieli Mallmann – Minhas Plantas de Apartamento


A Helena Magalhães partilha os seus livros, gatos e plantas que eu sonho para mim.

plantas helena magalhaes

Uma conta de instagram onde vou descobrindo o nome das espécies das minhas suculentas

plantas-lindsay
Onde leio várias informações sobre plantas:plantas-casaejardim
TODOS OS PASSOS SÃO IMPORTANTES PARA A MUDANÇA

Não me considero nenhum exemplo porque tenho todo um mundo para descobrir e para melhorar, mas acredito que são pequenos passos, pequenas mudanças de pensamento e simples gestos que vão fazendo a diferença. Por isso, em vez de me culpar por ter vasos de plásticos – como vêem nas fotos – ponho o foco no que está a nascer dentro dele, graças a todo o meu amor e cuidado. O resto, vou mudando, com o tempo e as possibilidades.

Por isso, se quiseres mudar qualquer para fazer a diferença, seja o que de mais pequeno for, fá-lo porque vai sempre ter impacto na tua vida, na dos outros e no mundo.
Margarida Pestana Plantas aromáticas
Margarida Pestana
Instagram: www.instagram.com/margaridanpestana
Site (brevemente): www.margaridapestana.pt

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *