Dicas de Sustentabilidade – Na praia

Depois de ter lido o relato da actividade da Mãe Sílvia Coutinho, blogger de a minha mente inquieta, na sua publicação É preciso arregaçar mangas, fiquei com o bichinho da limpeza. A Sílvia, juntamente com as suas lindas filhotas, foram passear à beira rio e aproveitaram para fazer uma mega recolha de lixo no areal. Foi bom para o planeta e para todas como família.

Quando chegámos a São Martinho do Porto, para as nossas tão merecidas e aguardadas férias, foi também a altura de arregaçar as mangas. S. Martinho do Porto é maravilhoso e a praia lindíssima e segura. Finalmente consegui ler enquanto as crianças e o pai estavam na água… As algas, que aparecem na costa, não nos incomodam. Fazem parte da natureza.

O que incomoda são os kilos de lixo que aparecem na costa e na areia. Ao sentar-me na areia, na primeira vez que chego à praia, salta um penso higiénico diário da areia, para além de todas as beatas que nos rodeiam.

Costumo caçar tesouros com os meus filhotes na praia. Estes tesouros são conchas, que voltam a ficar na areia, mas que têm direito a competição sobre qual a mais bonita. No meio destes tesouros, encontrámos centenas de tesouros muito menos interessantes. Restos de redes, fios de pesca, pedaços de plástico não-identificado, sacos, plásticos envolventes de todo o tipo de coisa, plástico queimado, etc…

Portanto, lá fui passeando e colocando o lixo num saco, por vezes encontrado na praia, por vezes guardado na mochila para estes casos. Ao encher, íamos ao caixote, deitávamos fora e tornávamos a encher.

Uma das coisas que me assustou foi o que podem ver na fotografia principal, ao lado do saco plástico. Ao pegar na corda verde, que se via por entre as algas, vem um enorme aglomerado de algas atrás e, dentro dele, um peixe-isco,em metal, com vários anzóis, onde uma criança ou um adulto, ao pisar as algas, poderia se ferir…

Notas mentais desta experiência:

  • exercício a manter, na praia, rio ou campo
  • por favor, educar as crianças e jovens (ou adultos) que beatas na areia ou pensos higiénicos, fraldas e afins, não. Há caixotes do lixo próximos…
  • imaginar que os plásticos que não apanharmos, irão para o mar e, não só irão ferir os animais marinhos, como se irão desfazer em pequenas peças, que serão comidas por aqueles animais, que serão comidos por nós… Not cool!
  • A maior parte do lixo pareceu-me ser proveniente de barcos e da pesca
  • Tesouros na praia sim, mas só os naturais…
  • Se quiserem deixar tesouros na praia, aceito notas de 50€, são de papel mas aposto que não chegam a deteriorar-se 🙂

Não consegui fazer o mesmo com os meus rapazes na praia, de forma sistemática como a Sílvia, mas no fim das férias já se divertiam a ajudar a mãe e a mostrar o que tinham encontrado.  O meu filho mais velho diz que me estou a tornar hippie mas que não tem vergonha! Vá lá, do mal o menos!!!

img_20180731_191737_burst1~21249916177..jpg
 

3 thoughts on “Dicas de Sustentabilidade – Na praia

  1. Se todos colhermos um saco, já é muito bom. Infelizmente a maioria do lixo que apanhamos junto ao mar e rio são provenientes dos pescadores e das suas embarcações.
    É bom educar os nossos filhos para que eles se tornem adultos conscientes
    ❤️😚

    1. Foi essa a ideia com que fiquei e seria interessante tentar chegar a quem de direito para haver mais formação para pescadores, profissionais e amadores, na questão da sustentabilidade…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *