Hoje comemora-se mais um Dia Internacional do Gato e, quem já segue o blog há algum tempo já sabe que eu gosto muito de gatos e bichinhos em geral, não podia deixar esse dia em branco.

Faz um ano contava a história do nosso Faísca, perdido na Cantábria, encontrado por uma família simpática que dele cuidou e que conseguimos contactar e ir buscá-lo de volta para casa. Hoje, quase um ano passado, já parece novamente a bolinha de pelo gigante de antes…

Sempre tive animais embora só aos treze anos tenha tido a minha primeira gata de casa. Na altura, foi o melhor que me podia ter acontecido. Aquela gata sentava-se no meu pescoço, tipo gola de raposa, enquanto estudava, e ali ficava. Eu era responsável por ela e isso ajudou-me em muitos sentidos.

Os meus filhos já nasceram em casas com gatos e cresceram a respeitá-los. Os gatos têm essa característica. Se uma criança não for suficiente simpática, eles vão-se embora. É necessário que as crianças aprendam a conviver com eles e a respeitá-los.

As minhas gatas, que já morreram há algum tempo atrás, sempre adoraram os bebés. Quando nasceram, costumavam ficar próximo do berço, uma delas, quando cresciam queriam dormir aos seus pés, e chamavam-nos quando os bebés choravam.

Nunca tive problemas com elas em termos de saúde. Durante a gravidez, quem mudava a areia era o meu marido e tinha o cuidado de lavar sempre bem as mãos depois de uma sessão de mimo! É preciso ter algum cuidado, por causa da toxoplasmose, mas hoje já sabemos que a contaminação não acontece apenas por causa dos gatos e convém ter vários cuidados.

Uma das características maravilhosas dos gatos é saberem quando alguém precisa de mimo e, do nada, aparecem e mostram que estão ali e querem mimo… São óptimos para empatar trabalho. Experimentem ligar o computador, preparar um café, chá ou limonada e, quando chegarem à cadeira, lá está ele, em cima do teclado à espera de, outra vez, mimo.

Preparem-se também para umas lutas de arranhadelas e mordidelas e linguados ásperos como forma de pagamento por todas as coisas boas que fazem por ele. Ser gato é difícil! Fazer o teste do descanso em todas as divisões, encher a casa de pelo para que os donos percebam que é necessário aspirar o chão e limpar o pó, miar de manhã (madrugada) a pedir comida e, caso não funcione, dar umas patadas na cara dos donos até se certificarem que estão acordados, beber das torneiras sem se preocuparem com a falta de água no planeta.

O gato, esse animal esquivo, amado por tantos e detestado por tantos outros, foi alvo de perseguições e assassínios em massa. Feito deus e feito diabo. Pode não ser o animal perfeito para todos mas é perfeito para nós! Gatos em casa? Sim…

Anúncios
Posted by:Silvia Reis

Former Higher Education Teacher, now working as a freelance translator and a full time mom...

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s