A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata

A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata é um longo título para um óptimo livro. Não é fácil dizer o nome todo, mas é fácil reconhecer e não confundir o livro com outro.

Este romance epistemológico, ou seja, contado através de cartas entre as personagens é absolutamente delicioso. Nem tudo é fácil nesta obra, nem a história, nem as primeiras páginas.

Foi um pouco complicado entrar dentro do romance. A apresentação das personagens através das cartas é um pouco mais demorada do que num romance normal. Porém, insistindo um pouco, é possível vislumbrar a excelente história que se desenrola nas páginas seguintes.

A Sociedade, nascida durante a segunda guerra mundial, na pequena ilha de Guernsey vai ser dada a conhecer a Juliet Ashton. Um feliz acidente faz com que um local da ilha escreva a Juliet, uma escritora à procura de um tema para escrever, e lhe conte tudo sobre esta sociedade.

O livro tem momentos hilariantes e momentos profundamente tristes. Como na vida, nem tudo corre bem. No entanto, é possível ver como os livros ligam as pessoas e as ajudam a ultrapassar momentos mais difíceis.

Todo o cenário, as personagens foram pensadas ao pormenor. As idiossincrasias de cada um são tão reais. Todas as personagens são sublimes embora seja fácil ficarmos vidrados na Juliet. É como se pudessem ser uma espécie de vizinhos em tempo de guerra. E depois a descrição de como era sobreviver a uma guerra num espaço confinado pelas fronteiras marítimas.

Apesar de já ter lido vários livros passados na primeira e na segunda guerra mundial, nunca tinha pensado como poderiam as pessoas sobreviver numa pequena ilha. A falta de todos os bens e a dificuldade em obter desde comida a roupa é chocante. Não mais chocante do que enviar as crianças para serem acolhidas algures pela Grã-Bretanha, numa altura em que as comunicações eram quase inexistentes.

Ainda não vi o filme e, neste momento, ainda não sei se quero ver. Gostei tanto do livro, da forma como Mary Ann Shaffer e Annie Barrows me cativaram e me fizeram imaginar o meu próprio filme que receio desiludir-me com o filme.

Alguém já viu o filme? Já leram o livro? Para quem não viu nem leu, aqui fica a sinopse. Recomendo vivamente!

SINOPSE

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para a Formação de Adultos, como sugestão de leitura.

Londres, 1946. Depois do sucesso estrondoso do seu primeiro livro, a jovem escritora Juliet Ashton procura duas coisas: um assunto para o seu novo livro, e, embora não o admita abertamente, um homem com quem partilhar a vida e o amor pelos livros. É com surpresa que um dia Juliet recebe uma carta de um senhor chamado Dawsey Adams, residente na ilha britânica de Guernsey, a comunicar que tem um livro que outrora pertenceu a Juliet. Curiosa por natureza, Juliet começa a corresponder-se com vários habitantes da ilha.

É assim que descobre que Guernsey foi ocupada pelas tropas alemãs durante a segunda Guerra Mundial, e que as pessoas com quem agora se corresponde formavam um clube secreto a que davam o nome de Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata. O que nasceu como um mero álibi para encobrir um inocente jantar de porco assado transformou-se num refúgio semanal, pleno de emoção e sentido, no meio de uma guerra absurda e cruel.

Se tiverem curiosidade podem comprar o livro na Bertrand. Podem saber mais sobre outros livros de que gostei.

02 comments on “A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata

Qual a vossa opinião?

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE
%d bloggers like this: